Atividade paranormal

Um dos pensamentos que cruzou minha cabeça quando eu assisti Quanto mais quente melhor foi “isso sim é apelo erótico”, sempre que eu via a Marilyn Monroe em cena. Era incrível como, vestida, ela conseguia ser mais sensual e atraente do que as mulheres de hoje, que mostram quase tudo logo de cara. Estou falando sobre isso – que, aparentemente, não tem nada a ver com um filme de terror – porque queria dar um bom exemplo do que existe durante todo o Atividade paranormal: o poder da sugestão.

Na trama, o casal Micah e Katie vive tranqüilo em sua casinha no subúrbio, até o dia em que Micah resolve gravar o que acontece durante a noite, já que sua namorada disse que vinha ouvindo barulhos estranhos. Problema é que o que era só o chão rangendo começa a se revelar uma coisa bem mais complicada.



Atividade paranormal é um filme relativamente simples: filmado com míseros 20 mil dólares, ele se passa todo dentro da casa, filmado com a câmera de Micah, que grava não só o que acontece a noite, mas também conversas banais com a namorada, que ajudam a nos fazer gostar dos personagens. Com vinte minutos de filme, a dinâmica fica toda clara: de dia eles conversam, de noite eles ficam se borrando de medo de acontecer alguma coisa.

É nesse ponto que Atividade paranormal fica muito a frente dos filmes de terror convencionais, porque aposta na tensão da expectativa sobre a chegada da noite – e, então, o que vai acontecer nela. Esqueçam sangue jorrando, efeitos especiais de plástico e acordes mais altos da trilha sonora. Tudo funciona na base da sugestão, do que pode estar acontecendo sem que nós – e os personagens – estejamos sabendo. Não que esta idéia de rodar o filme todo por um ponto de vista limitado seja nova: recentemente, tivemos Mar Aberto, Cloverfield, Rec e Bruxa de Blair, que funcionam da mesma forma: não é o que acontece, mas a reação dos personagens – e, por intimidade, a do espectador – que interessa.

Eu acho que existe uma grande chance de que as pessoas, levadas pelo boca a boca de que o filme é assustador, saiam chiando do cinema, reclamando coisas do tipo “filme em que não acontece nada” ou “filme que não explica nada” e bla bla bla, porque, afinal de contas, Atividade paranormal é todo montado, por dentro e por fora, em cima de expectativas. Eu aconselho a ir ao cinema esperando assistir só a um casal dormindo por uma hora e meia – e aí o terror que você procurava vai aparecer.



4 comentários:

Rachelz disse...

Gostei bastante do filme, fiquei muito impressionada, quase não consegui dormir depois.
Sua resenha está muito boa, clara, objetiva.
Parabéns.
Bjos,
Rachelz

Nathy disse...

Eu quero assistir. Vou ver se aproveito o feriado aqui de Londrina, para fazer isso. Gostei da resenha. Não gosto mesmo de filme jorrando sangue. Talvez eu goste deste. Abraços.

lunática disse...

eu fiz a eleição de pior filme do ano, e vai pra "Atividade Paranormal"

André disse...

Foi tanto hype em cima desse filme que acabei me decepcionando um pouco. Não é ruim, mas também não sei se fica acima do mediano. Gostei da tensão e do clima do filme, mas sei lá... Falou alguma coisa.