Os Fantasmas de Scrooge


Vamos começar essa crítica de uma forma bastante direta: eu acho uma bela porcaria essa tecnologia de captura de movimento dos atores para acréscimo de efeitos especiais depois. Filmes realizados completamente em computação – como os da Pixar – funcionam por que investem em caricaturas para retratar os seres humanos, sem a pretensão de fabricar uma pessoa de carne e osso, porque, raios, já existem pessoas de carne e osso.

Na década de 80, Robert Zemeckis – diretor deste filme – fez De volta para o futuro, o melhor filme de aventura que eu já assisti na minha vida. Nos anos 90, ele fez um dos itens sagrados da lista de dez filmes de muita gente, Forrest Gump. Pena que nessa década, ele tenha resolvido investir no desenvolvimento da captura de movimentos, criando o chato Expresso Polar, o mais chato ainda Beowulf e este Os fantasmas de Scrooge, que, adivinhem, também é muito chato. Continua...