9 coisas dos últimos 9 anos que você já deve ter esquecido

Nós esquecemos coisas, é normal. Quem aqui nunca esqueceu que a namorada tinha um sinalzino na perna direita, e ela acabou brigando com você e eventualmente terminando por causa disso? Bom, acho que esse não é o melhor exemplo, mas vocês entenderam.

Por causa da Internet, nós ficamos sabendo de tudo o que acontece no mundo, e o excesso de informação sobrecarrega nossos pequenos cérebros cor-de-rosa. Por outro lado, existem coisas que fazem o maior barulho quando aparecem, mas depois, sem mais nem menos, simplesmente somem da nossa memória. Confiram então nove coisas dos últimos nove anos que você já deve ter esquecido.


9. Netscape Navigator (2000)

Nos começos da Internet no Brasil, existiam dois navegadores para acessar a rede: o Internet Explorer e o Netscape Navigator. No fundo, os dois serviam para a mesma coisa. Era a Internet que não servia para nada.
(Guga não joga mais, Mercedes Sosa morreu e o Bancos Santos faliu. Uol não deu sorte para eles)

Como caiu no esquecimento: Se você começou a usar Internet recentemente, saiba que existiu uma época em que os programas, mesmo os de 10mb, vinham em cds, porque modem bom se matava para chegar a 4kb/s. Como o Internet Explorer já vinha instalado no Windows, a coisa foi ficando cada vez mais difícil pro Netscape.

E hoje… na página do Netscape ainda dá para baixar o navegador, com a ressalva de que ele não abre mais nenhuma página de Internet. Por outro lado, o Firefox que a gente tanta ama veio do código do Netscape – então eles estão vingados contra a Microsoft.


8. Bug do milênio (2000)
Depois que a informática começou a avançar no mundo inteiro no final dos anos 90, descobriu-se que os computadores tinham sido programados em Portugal, e por isso, quando virasse de 1999 para 2000, os pcs iam entender que era 1900, então contas bancadas seriam zeradas, mísseis nucleares seriam lançados, iam cortar o fornecimento de energia e a Dercy Gonçalves ia ganhar mais 100 anos de crédito.

Como caiu no esquecimento: não aconteceu coisa nenhuma por causa do bug do milênio. Poucos computadores apresentaram defeitos, não sumiu dinheiro de ninguém e a Dercy acabou vivendo só até 2008 mesmo.

E hoje… a próxima data cabalística para ferrar-tudo-de-vez-e-eu-devia-ter-sido-uma-pessoa melhor é 2012, previsão de fim do mundo para o calendário maia. O que é uma pena, porque eu queria mesmo ver um jogo de squash ao vivo no Rio-2016.



7. Corte de cabelo com topete loiro (2001)
A coisa que eu mais acho interessante sobre a moda é o poder que ela tem que mobilizar e unir grandes legiões de idiotas no Brasil e no mundo. No comecinho da década, alguém achou que seria legal raspar o cabelo e só deixar um topete na frente (na verdade, um resto de cabelo), pintando-o de amarelo-loira-vadia. As menininhas adoravam.

Como caiu no esquecimento: como toda moda, um dia alguém levantou e pensou: poxa, acho que vou inventar um negócio mais ridículo hoje – e aí os topetes loiros foram caindo em desuso, menos para o Chimbinha da Banda Calypso, que pelo jeito parou nessa época. (a Joelma parou nos anos 80, se nos anos 80 tivessem chovido LSD todo dia)


E hoje… fashion é deixar o cabelo crescer em tamanhos diferentes e alisar o máximo que der, com uma franja enorme na frente cobrindo os olhos. Problema é que não são as mulheres quem tem feito isso.


6. Metamorphosis (2003)

Antes de tirar a Isaura da tumba para sofrer mais 200 capítulos, a Record resolveu fazer uma novela super-inovadora, que passava no domingo, era gravada com película de cinema e que trouxe, na primeira semana, uma incrível cena de cirurgia facial, que todo mundo já tinha visto seis anos antes no A outra face.


Como caiu no esquecimento: em resumo, a novela era uma porcaria: confusa até o talo, foi simplesmente interrompida no meio e encerrada com uma narração em off do Luciano Szafir, aquele-ator-que-nunca-foi-a-lugar-nenhum-excluindo-aquele-lugar-da-Xuxa.

E hoje… a Record insistiu em novelas esquisitas com Caminhos do Coração, uma cópia descarada de Heroes, que fez sucesso. Por outro lado, é bom dizer que a Glória Perez escreve novelas sem o menor sentido desde a década de 80, e todas vão bem de audiência. A próxima, aliás, vai misturar a cultura esquimó com os mistérios da produção de chiclete Ploc.


5. Rouge (2002)

Motivado por aquele constrangimento de programa de calouros do Raul Gil (que revelou o arremedo chamado Robinson), Silvio Santos comprou um formato estrangeiro chamado Popstar, um reality-show cuja finalidade era montar um grupo pop de cinco meninas. No final, estava formado o Rouge, que contava com Lissah (a japonesa), Aline (terceira integrante da dupla Pepe e Neném), Fantine (a gorda), Karen (prima das irmãs Willians do tênis) e Luciana (a loira que picou a mula).


Como caiu no esquecimento: O grupo estreou com a grudenta “Ragatanga”, versão para português da tão-sem-sentido-quanto “Asereje”, das Las ketchup. Depois as músicas foram minguando, até chegar naquela época do álbum temático das arábias, o último prego no caixão.

E hoje... Lissah, que é tão bonitinha, virou uma atriz famosa nos musicais grandões de teatro em São Paulo. Das outras não se tem notícia, mas da última vez em que se ouviu falar da Fantine, ela estava tentando furar a fila do show do U2.



4. Piscinão de Ramos (2001)

Preocupada com a poluição na Baía da Guanabara, o Governo do Rio de Janeiro decidiu montar uma grande lagoa artificial com água do mar no bairro de Ramos. Provavelmente nós nunca saberíamos disso, não fosse uma maldita novela da Glória Perez (O Clone), com um maldito personagem de subúrbio (feito pela Mara Manzano) com o maldito bordão “cada mergulho é um flash!”. Em duas semanas, já tinha mais de 60 mil pessoas indo ao Piscinão.


Como caiu no esquecimento: O que acontece quando você represa uma quantidade de água e atrai 60 mil pessoas para dentro dela? E se, além do mais, você não colocar banheiros suficientes? Aí seu piscinão vira o privadão de Ramos.

E hoje… pelos últimos dados, há entre 400 e 900 coliformes fecais na água do piscinão, quando o recomendável para você não perder a segunda-feira de trabalho por conta de piriri é de, no máximo, 100. Nesse ritmo, a água vai adquirir consciência própria até 2020.



3. Fanta Maçã, Citrus e Morango (2002)
Sempre preocupada com seu apelo entre os jovens, a Coca-Cola descobriu que eles estavam descontentes por poder tingir a parede do estômago apenas de laranja e roxo, e assim inventou três novos sabores de Fanta: Maçã (amarela), Citrus (cor de urânio dissolvido em água) e Morango (rosa-acidente).

Como caiu no esquecimento: Como a Fanta Maçã tinha sabor de água de arroz, a Citrus era feita a partir de extrato de lagartixa velha e a Morango parecia morango, só que devolvido por outra pessoa, ninguém era louco de tomar aquilo, então a produção foi cancelada em 2004.

E hoje… a Coca-Cola ainda não desistiu de sabores bisonhos de Fanta, então de tempos em tempos lança “edições limitadas” de Laranja+Manga, Laranja+Tangerina, Laranja+Cacau etc, que no fundo são apenas restos de suco do refeitório da empresa.


2. Acquaria (2003)

Não contentes em incomodar a gente no rádio e na televisão, Sandy e Junior resolveram que precisavam ser desagradáveis também no cinema, e assim surgiu Acquaria, uma cópia cafajeste de Mad Max passada no futuro da Terra, onde a água acabou e só sobraram Sandy e Junior para cantar. É um filme de terror.


Como caiu no esquecimento: Não bastasse ser um lixo no seu propósito, Acquaria ainda é um filme chato para dedéu onde não acontece nada. A bilheteria no cinema foi um fiasco e nem os fãs gostaram.

E hoje… Sandy e Junior se separaram, e a última notícia que eu tive foi de que o Junior se casou com um cara da família Lima e a Sandy acabou de lançar o seu terceiro filme pela Brasileirinhas, chamado Sem Xororó nem vela.


1. As mortes de Enéas (2007), Pedro de Lara (2007) e Beto Carreiro (2008)

Enéas, o eterno CINQUENTA E SEIS!!, morreu de leucemia aos 69 anos. Pedro de Lara morreu de câncer, aos 82 anos, enquanto Beto Carreiro faleceu por complicações cirúrgicas, aos 70 anos.


Como caiu no esquecimento: Mais de dois anos depois, acho que ninguém ainda percebeu de verdade que eles morreram. Os três eram figuras tão constantes na televisão, fazendo sempre a mesma coisa, que a impressão é de que eles só não têm sido chamados para se apresentar. E se colocarem uma reprise sem avisar, a gente aceita sem o menor problema.

E hoje… vendo por esse lado, eu começo a acreditar piamente que o Sérgio Mallandro morreu em algum momento da década de 90, isso foi bastante noticiado, mas como uma reprise da Porta dos Desesperados deu 15 pontos de audiência, o TV começou a repetir todo o arquivo que tinha. E nunca é bom desconsiderar o Silvio Santos nessa hipótese.

(Agradecimentos a wikipedia pelas informações das datas)


5 comentários:

Thiago Augusto Corrêa disse...

Na verdade, no Rouge, a vergonha era tão grande que a Lissah atendia por outro nome, acho que pra não manchar o próprio.

Mas eu ainda acho que existem coisas bem menos lembraveis do que isso. Os Popstars ninguem lembra. O Rouge foi lixento mais foi o primeiro, o primeiro dessas coisas nunca se esquece. Tipo o primeiro BBB.

E o cabelo com topete loiro existe até hoje, é só sair pra ver. Sério.

Arthur Malaspina disse...

Tem o Windowns Millenium...

isso é uma merda tão grande que a maioria das pessoas nem sabe que existiu...

Priscila disse...

Eu lembro do windowns millenium... meu pai só aceitou comprar computador depois do "bug", logo eu sofri nas mãos deste windowns maldito!!!

Vini... suas listas são ótimas... mas eu gostaria de dizer que ainda não me esqueci do Enéias... só fiquei sabendo de sua morte dois meses depois numa piada que o Brunno fez durante uma aula de Latim... ainda não superei o choque!!! tsc tsc

Nathy disse...

Lembro de tudo isso. Inclusive fui fã de Sandy e Junior e assisti Acquaria no cinema, mas realmente: filminho podre! kkk

van-jeff disse...

Eu descobri a Fantine...hehehe