À deriva

Para que um filme seja difícil, ele não precisa, necessariamente, ser inacessível. Já perdi as contas sobre quantos filmes eu ouvi dizer que eram complexos e densos mas que eu mesmo não consegui entender nada de muito profundo. À deriva, de Heitor Dhália (mesmo diretor do Cheiro do Ralo), é um filme difícil – mas que com um pouquinho de sensibilidade aparece por inteiro, e então as coisas ficam realmente boas.

Na história, Filipa, menina de 14 anos (papel de estréia de Laura Neiva, que vai muito bem), está passando as férias com seus pais e irmãos na praia, para que o pai consiga escrever um novo romance. Lá, ela descobre que o pai tem uma amante, enquanto o casamento desmorona por causa do alcoolismo da mãe. Continua...