Kung Fu Panda

Se a DreamWorks tivesse tomado, com o roteiro, o mesmo cuidado que teve com a animação de Kung Fu Panda, teria provavelmente feito um bom filme da Pixar. Mas parece que as outras empresas de animação não conseguem fazer as duas coisas ao mesmo tempo, decidindo por uma só, que quase sempre é o aspecto visual. Essa decisão não faz de Kung Fu Panda um filme ruim - mas tambem o deixa longe de ser um grande filme.

Porque, se de um lado a animação é ridiculamente bonita (sem contar os minutos iniciais, feitos em animação tradicional, que são de tirar o fôlego), o roteiro de
Kung Fu Panda é ridiculamente simplório, repetindo aquela história trocentas vezes já contadas de "personagem desajustado que tem que superar seus limites pelo bem dos outros", com direito ao "mestre desconfiado que muda de idéia", além do tradicional "adversário em busca de poder" etc. Eu não consigo compreeender qual é o interesse em se contar uma história convencional através de um meio inovador, mas é claro que, no fim, tudo se resume a lucrar com o filme no verão americano. Kung Fu Panda é simpático, como são simpáticos Tá dando onda, Por água abaixo, Shrek 2 e Shrek 3, e mais uma porção de outras animações. Enquanto a Pixar faz obra-primas, as outras empresas fazem feijão com arroz, e isso não chega a ser ruim - problema mesmo é que todos nós sabemos que é possível fazer muito melhor.





Um comentário:

Bárbara disse...

É, mas é divertido, vai... ;D

Um abraço!

P.S.: O filme levou três folhinhas, mas o seu blog merece cinco! Fique sabendo!