Meus 10 discos preferidos

Levei um tempo para conseguir fazer essa lista, justamente por causa daquele mal que é conhecer músicas e coletâneas de bandas ao invés de ouvir os álbuns originais. Mas, pela primeira vez, eu tenho dez bons nomes aqui, numa lista que provavelmente irá mudar bastante em dez anos, mas viver é mesmo trocar de idéias, não é?


A lista obedece três critérios: o primeiro é da organização por ordem alfabética dos discos, sem colocação, porque eu ainda não tenho condição intelectual para fazer isso. O segundo critério, usado para analisar os discos, é a caracterização pessoal embasada em valores flexíveis, que é um nome bonito para dizer “é o que eu acho”. Por fim, o terceiro critério é: “escreva pouco para que as pessoas tenham paciência de chegar ao fim do texto”.

American Idiot Green Day
Quando o Green Day conseguiu juntar um rock mais arrojado com umas letras inteligentes que não soam presunçosas, criou American Idiot, que é o melhor álbum da banda até hoje. Se eles são emos, punks, pedintes, adoradores de alcachofra, isso não vem ao caso – o fato é que o disco é bom.
3 canções fundamentais: “American Idiot”, “Letterbomb” e “Jesus of Suburbia”.

Fruto ProibidoRita Lee
Voz de menininha e letras de mulher cínica: quando deram um pé na Rita para fora dos Mutantes, ela foi lá fazer o disco dela, com um rock bem legal dos anos 70. Problema dos Mutantes.
3 canções fundamentais: “Fruto Proibido”, “Esse tal de Rock’n’roll”, “Agora só falta você”.

Mutantes Os Mutantes
Escolhi esse disco dos Mutantes – que é minha banda preferida – não porque seja o melhor, mas porque eu acho mais representativo: as letras já são deles, a experimentação instrumental está toda lá, a irreverência e o bom humor vazam pelas músicas. Mutantes no auge para mim.
3 canções fundamentais: “Caminhante Noturno”, “Não vá se perder por aí”, “Dia 36”.

Nós vamos invadir sua praiaUltraje a Rigor
Se tem uma coisa que eu gosto mesmo no Ultraje, é a maneira dele fazer rock sem frescura: toca do jeito que bem entender, fala do que quer e se lixa para o que os outros vão pensar. Nós vamos invadir sua praia é uma pérola da falta de compromisso.
3 canções fundamentais: “Nós vamos invadir sua praia”, “Ciúmes”, “Inútil”.

Pet SoundsBeach Boys
Pet Sounds é o famoso segundo melhor disco da história, perdendo para o Sgt. Pepper’s dos Beatles. Deixando a surf music de lado, eles partiram para a experimentação e fizeram um disco delicioso de se ouvir, que consegue ser romântico de um lado e extremamente cínico de outro.
3 canções fundamentais: “God only knows”, “I’m waiting for the day”, “Here today”.

Ruído RosaPato Fu
Não sei se isso é consenso, mas o Pato Fu me parece uma cria direta dos Mutantes, mas sem soar anacrônica ou uma cópia vagabunda. Pato Fu consegue ser divertido, descompromissado, fazer um rock diferente e inovador perto do lixo que são as bandas de hoje. Numa terra de emos e de cantores esticando vogais, o Pato Fu é a melhor banda nacional em atividade.
3 canções fundamentais: “Eu, “Ninguém” e “Ruído rosa”.

Smile Brian Wilson
Reza a lenda que os Beach Boys acabaram quando Brian Wilsom, o vocalista e compositor, enlouqueceu e propôs um disco absolutamente difícil de se realizado. 30 anos depois, o tal do Brian Wilsom conseguiu fazer o disco sair do papel – e é um primor de experimentação e falta de sentido. Disco de louco, para gente louca.
3 canções fundamentais: ouça o disco todo, mas eu vou na “trilogia”, “Wonderful”, “Song for children” e “Child is the father of the men”.

The WorksQueen
O Queen é um daqueles casos de banda que eu conheci por coletânea – e aí cria-se aquela falácia de que todas as músicas são boas e tal. Quando eu passei a ouvir disco por disco, vi que não funcionava bem assim, mas The Works é para mim o melhor deles: rock direto, abusando do vocal do Freddy Mercury.
3 canções fundamentais: “Radio Gaga”, “Back to Humans” e “Hammer to Fall”.

ThrillerMichael Jackson
Tio Michael é a encarnação do pop – e Thriller é a jóia da coroa: ritmo contagiante, vocal de menininha, letras descabidas e muita, muita energia para você ficar pulando na sala. Pena que depois ele tenha ficado branco e começado a flertar com criancinhas, porque ele era o único homem do mundo que dançava e eu respeitava:
3 canções fundamentais: “Billie Jean”, “Beat it” e a lendária “Thriller”.

Tropicália ou Panis et CircensesCaetano Veloso e muitos de seus amigos
Eu podia dizer que Tropicália é uma espécie de Sgt. Pepper’s brasileiro, mas isso seria reduzir todo o valor do disco que junta, de uma vez só, Caeteno, Gil, Tom Zé, Mutantes e Betânia. Tropicália é a grande revolução na música brasileira, experimental e maluco até o osso, com letras que variavam da mais incrível bobagem até a maior crítica ao país. Histórico.
3 canções fundamentais: “Miserere Nobis”, de Gil; “Mamãe Coragem”, de Betânia, e “Parque Industrial”, de todos eles.

Ufa, é isso! Sintam-se livres para colocar seus discos preferidos aí nos coments.

3 comentários:

Arthur Malaspina disse...

Oba...vou fazer uma lista no meu blog... depois da uma olhada!!!

Rafael Ribeiro Rocha disse...

Tudo bem, Green Day é legal e American Idiot é foda, mas Boulevard of Broken Dreams, Wake Me Up When September Ends, etc, são músicas mais emo que 90% das canções do Fresno... Sem discutir o resto da lista, pq gosto e c* cada um tem um... Mas pelo visto você não teve infância, pq não citar Mamonas Assassinas é imperdoável...

t.larroca disse...

És um brincalhão!

Ter Green Day ao invés de Clash ou Television e Thriller ao invés de Off the Wall são erros que estão me dando coceira, portanto se considere expulso do nosso time cover do Timão.

hehe abraço garoto