Saneamento Básico - o filme

Jorge Furtado é um cara a ser respeitado no cinema nacional: ele estreou com um documentário soberbo chamado Ilha das Flores e depois criou uma das melhores comédias desta década, O Homem que copiava. Eu não sou lá muito fã de Meu tio matou um cara, mas nem por isso fui com expectativa baixa para assistir Saneamento Básico – o filme. O longa conta a história de um povoado no Rio Grande do Sul, que busca o apoio da prefeitura para realizar uma obra de saneamento básico. O governo, porém, tem só o dinheiro para um projeto cultural de longa-metragem, o que leva todo mundo a fazer um filme para gastar a verba no esgoto.

Com inteligência, Jorge Furtado criou um filme perfeito para explicar o drama que é fazer um filme no Brasil – uma via-crucis de favores, patrocinadores, beija-mão do Governo etc – ao mesmo tempo em que tira um sarro do próprio cinema nacional e de suas produções que beiram a completa porcaria na maior parte do tempo – as cenas do curta são de se dobrar de rir (e ainda tem uma atuação ótima da minha atriz nacional preferida, Fernanda Torres). Não chega a ser espetacular como O Homem que copiava, mas é uma comédia bacana muito melhor do que 95% do que o Brasil cisma em lançar.




Um comentário:

Arthur Malaspina disse...

Olha quem vem lá!!!

Silene Seagal!

Que Silene Seagal?

A Silene Seagal!!


Impagável!