Explo ou Elogio da Picaretagem

Todo mundo escreve, mas chega uma hora em que nossos textos viram coisa séria: a minha se chama Explo ou Elogio da Picaretagem.


No fundo, a Explo é uma grande diversão que eu resolvi levar a sério, sempre dentro da perspectiva de que é mesmo só uma grande diversão que eu resolvi levar a sério desde 2002 – e lá se vão cinco anos – eu estou escrevendo uma grande aventura, um meio primo nacional do Mochileiro do Douglas Adams e o Discworld do Terry Pratchett, além de uma porção de outras influências que eu recebi durante todo esse tempo. Esta semana eu completei 75% da escrita, e já se contam aí mais de 250 páginas – e isso quer dizer que volume de livro eu já tenho.

Sempre que eu conto que eu escrevendo um livro, as pessoas me perguntam “qual é a história” e eu realmente tenho problemas para explicar de um jeito simples – então eu vou tentar mais uma vez:
Explo é a história de um cara, chamado Kustin, que trabalha para uma empresa que explora cavernas em busca de pedras preciosas. Na verdade, eu acho mesmo que a trama da Explo é um pretexto para a construção da Explo: mais do quem uma história de aventura, eu me preocupo e me divirto criando personagens cheios de personalidade – como a arrogância descabida de Kustin – e descrições com um pé na crítica e outra na pura bobagem das organizações, dos governos, da sociedade dos bonitões etc. Sem contar as intervenções da metalinguagem, de um narrador que não se contenta em contar uma história, mas quer comentá-la enquanto faz isso, e as vezes até se atrapalha.

Não ouso dizer que
Explo é uma história para fazer ninguém pensar – o mundo já está cheio de livros que fazem isso. Escrevo uma história que faça rir, de um humor flutuante entre várias esferas – a inteligência, a sutileza, a extravagância, a grosseria e por aí vai. Não vou mudar o mundo com as minhas linhas, mas eu desejo fazer dele um lugar mais divertido – cornetagem nunca resolveu nada, mas é bem melhor do que qualquer seriedade ridícula (e são tantas por aí).

Explo tem previsão – e promessa – de ficar pronta de uma vez até o final do ano.

6 comentários:

Thiago Augusto Corrêa disse...

Eu queria ler o que você já tem. Eu cheguei a ler um capitulo só. Me lembre de me emprestar se puder e tal.

:D

Arthur Malaspina disse...

Eu li até o capitulo 19...tá muito bom...vamos publicar isso....

Anônimo disse...

Que legal você estar escrevendo um livro! Espero que faça sucesso e venha parar nas livrarias de Fortaleza, para eu poder lê-lo!
Um abraço!
P.S.: Dei um fim no blog. Quando fizer outro, o que talvez demore um tempinho, passo para avisar. :)

Miss Sunshine

Fabrício disse...

Até o fim do ano...

Prazer... o obstetra... e essa vaga é minha de longa data, certo??

Adriane disse...

Lançou?

Adriane disse...

Lançou?