Dos acertos de tio Silvio

Eu sempre fui um fã incondicional do tio Silvio Santos, porque para mim ele é o cara que mais sabe explorar e desconstruir o próprio mito. Não sei se a volta dele para o domingo surtiu efeito na audiência do sbesteira, mas pelo menos aqui em casa ele reina absoluto.

Não que eu esteja falando do Tentação (que é só mais um caça-níquel do fundo do Baú), mas do Topa ou Não Topa e do Qual é a Música? O segundo continua quadradão como de costume, com o tio Silvio sequer sabendo o nome dos convidados, mas é tudo de uma breguice tão hilária que não dá para deixar de se apaixonar – como quem gosta de miojo com farofa. Os trejeitos afetados do trio de cantores, a dublagem micada do novo Pablo, o clássico "quantas notas" e acima de tudo o duelo entre as colegas de trabalho para ganhar cinquentão e falar uma abobrinha no microfone.

Mas divertido mesmo é a outra parte da história, o Topa ou não Topa, que consiste basicamente num programa de sorte e acaso em que tio Silvio usa de toda a sua capacidade de cornetagem para atazanar os participantes. Mais afastado do padrão "tias de saia e cabelo cumprido" que compram o carnê do Baú, o tom mais jovem e mais solto funciona muito bem. E ainda tem as moças bonitas. Parece que o homem voltou ao rumo.

2 comentários:

Bárbara disse...

Quem gosta do tio Silvio mesmo é a minha avó, e às vezes eu gosto de assistir os programas com ela. Gostei da descrição do Qual é a Música, "mas é tudo de uma breguice tão hilária que não dá para deixar de se apaixonar – como quem gosta de miojo com farofa". Falou tudo!
Abraço!

Rafael disse...

Boa Vinício... E fique com inveja, provavelmente eu irei conhecer o Tio Sílvio!!!