300

As vezes acontece da gente não gostar de um filme não porque ele seja ruim, mas por não ser aquilo que era esperado. Bem, foi o que me aconteceu com 300, cujas minhas expectativas giravam em torno de um épico majestoso, com personagens profundos e diálogos interessantes. Na verdade, 300 é um filme sobre uma briga – e não passa disso. Mas não que seja ruim: a grosseria e a violência estilizada das cenas faz da batalha dos troianos contra o exército persa uma experiência e tanto para os olhos. Ainda que eu tenha saído do cinema com a impressão de que 300 não mudou a minha vida em nada – porque era isso que eu esperava dele – não deixo de recomendar, para quem quer ver uns homens fortes saindo no soco (e ainda tem a participação especial de Rodrigo Santoro, esquisitissimo).



Um comentário:

bárbara disse...

É, vi uma reportagem na tevê sobre o filme, a voz do Rodrigo Santoro tá mesmo muuuuuito estranha...