Oscar 2007

E aí Os Infiltrados ganhou. Não que eu acho que não merecesse, até porque a melhor expressão que eu encontrei para caracterizar o filme até agora é – exatamente esta – foda para caralho! Não vi os outros indicados – ah, esses cinemas do interior, obrigado por selecionar sempre aquilo que a gente não precisa assistir – mas ponho fé que o Scorcese merecia mesmo, e se os dois Oscar (diretor e filme) foram dados mais pelo conjunto da obra do que pelo filme em si, então a justiça está feita do mesmo jeito.

Estava torcendo por Pequena Miss Sunshine, e foi muito bom que Alan Arkin – o vovô que conseguiu colocar pelo menos cinco frases clássicas na história do cinema – tenha batido Eddie Murphy, até porque esse Dreamgirls tem cara de ser um porre. A parte ruim é que este Oscar foi extremamente chato como nunca antes: os “thank my…” de sempre, aquela tradução pavorosa da Globo, que não ata nem desata, porque atrapalha quem quer entender em português e quem quer ouvir o original. Mas ano que vem tem mais. E viva a Kombi amarela!

Nenhum comentário: