São Paulo Fashion Week

Faz parte da humildade reconhecer as vezes que, se a gente não entende uma coisa, o problema está em nós, e não na coisa. Mas sei lá, quando muita gente não entende nada, talvez seja a hora de mudar o culpado.

As roupas apresentadas em tantos fashions pelo mundo aí nunca fizeram sentido nenhum para mim: além de serem, no mínimo, bizarras, cada coleção se justifica por sua inspiração no mundo real, com coisas do tipo "os pés de acerola do novo mundo" ou "os ladrilhos do cyberespaço" e blá-blá-blá. Uma vez lembro de ter lido um artigo no Estadão que falava dessa pataquada de estilista dizer que seu desfile vinha "cheio de atitude" - e assim percebi que não estava sozinho no mundo. Não compreendo minimamente esse papo de "tendências" do verão nem como isso pode afetar minhas camisetas da Hering no guarda-roupas, mas o jeito mesmo é manter a austeridade: somos pobres mortais alheios aos mistérios do Olimpo das passarelas.

2 comentários:

Strange Little Girl disse...

Pois é, eu também não entendo absolutamente nada desse mundo da moda. Vou perguntar para uma amiga que faz faculdade de moda, quem sabe ela me dê a resposta mágica? Bem, talvez não... pessoas que estudam Terapia Ocupacional nunca descobrem pra que a sua profissão serve, hehehe. As roupas são bizarras mesmo, mas eu até que gosto das "compráveis", que vão para as lojas mesmo. Não compro porque são caras.

Bjooos

Ariadne Celinne disse...

Eu também não entendo nada, muito menos sei se eu sigo a moda ou não. Bem, para quem odeia sair para comprar roupa... rs... Eu sou daquelas que gosto, vejo preço, se estiver bom eu compro, se for caro já era!
hahaha
*prefiro livros a roupas e tenho dito.