Big Brother Brasil

Teve um tempo, de verdade, em que eu gostava de Big Brother; quer dizer, eu demorei para gostar, para a primeira edição eu nem liguei muito - até porque preferia a Casa dos Artistas do tio Silvio - mas daí veio o BBB 2, 3, 4... mas td cinco em diante eu comecei a desencanar... e agora, na porta da sétima edição, eu me sinto mal só de saber que aquilo vai estar passando.

Desse jeito, eu vou adotar a mesma tática que eu adoto em todos os carnavais - fingir que não está acontecendo; o problema é que eu vou ter que fingir até abril, o que não é nada fácil - ainda mais quando eu levo em conta que papai, mamãe e irmão gostam de dar aquela espiadinha.

O que mais deve me irritar no BBB hoje é essa cara de artificial que ele tem, essa suposta visão do ser-humano-em-situações-de-convívio-e-adversidades que no fundo é tudo encenação de umas quinze pessoas que querem ganhar dinheiro, virarem atores, mostras as coisas em revistas, por aí vai... não entendo, a Globo vende esses quinze mortais como se fossem os últimos de uma raça incrível, cujas características nenhum de nós do lado de fora tem a dádiva de possuir... afinal, algum de vocês aí faz o tipo "sou calmo, mas quando pisam no meu calo..." ou então já pensou que se estivesse lá “seria amigo de todos, mas na hora de eliminar alguém...” ou quem sabe a perspecácia de perceber que “é só um jogo, por mais que haja amizade…”... isso sem contar a sua incrível diversidade regional, já que são apresentados como “essa mineirinha” ou “este rapaz carioca”; a grande mágica da Globo é pegar uma meia dúzia de comuns e vendê-los como se fossem nossos espelhos de sonho, aqueles da massa que foram divinamente eleitos para concretizar suas vontades. E a gente cai, e imagina como seria se estivesse lá, em quem ia votar, provavelmente naquele cretino falso que só quer saber do dinheiro e não respeitou a amizade… se bem que é só um jogo, não se pode esquecer disso… porque na hora de eliminar alguém, não pode ter amigos… quem mandou pisarem no calo… Haja paciência até abril!

2 comentários:

Ariadne Celinne disse...

O pior de tudo é que o "coitadinho" sempre vence, o mais pobre, o menos esperto... Mania de inferioridade? Magina... Na vida real também é assim né? :P
bjs

Strange Little Girl disse...

Eu nunca vi esse negócio! Tentei por uns 15 minutos, mas não deu, minha paciência não permitiu. É tudo forçado demais. Só tem gente "gostosa" e um outro feinho que eles jogam lá nunca entendi porque. Eu não queria estar em um negócio daqueles!

Bjos